Nosso Blog

Megamed News

procedimentos-estéticos-1170x658.jpg

Notícias de pacientes que decidem fazer um rápido procedimento estético , como por exemplo no nariz e acabam internadas por complicações, como causadas pelo preenchimento com ácido hialurônico,  substância usada para tratar sinais de envelhecimento ou corrigir marcas no rosto, não é isolado. Tido como seguro quando feito por profissionais habilitados, o preenchimento com ácido hialurônico tem potencial invasivo, e quem o faz deve conhecer anatomia da face, farmacologia e características físico-químicas do material utilizado. Isso, no entanto, nem sempre acontece.

Pessoas que procuram clínicas em busca da rinomodelação, acabam na emergência, como resultado do nariz necrosado, correndo o risco de perder a visão e até mesmo sofrer um AVC. Uma dermatologista, convocada para a junta médica explica que casos assim não são isolados. Tido como seguro quando feito por profissionais habilitados, o preenchimento com ácido hialurônico tem potencial invasivo, e quem o faz deve conhecer anatomia da face, farmacologia e características físico-químicas do material utilizado. Isso, no entanto, nem sempre acontece.

As estatísticas com relação ao procedimento são mais de sucesso. Mas temos visto muitas complicações, e isso assusta. Não é algo banal ou simples de realizar. Nossa preocupação é alertar sobre qual profissional escolher. Há relatos frequentes de quem faz em salão de beleza. É uma injeção, não uma massagem. Cabe ao paciente escolher um profissional médico, primordialmente dermatologista — indica Luiza Guedes, coordenadora da área de Cosmiatria da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD-RJ).

Os especialistas ressaltam que o profissional, além de saber aplicar o ácido, deve ser capacitado para lidar com eventuais complicações. Para a dermatologista Lucila D’Amico Póvoa, o conhecimento da anatomia é fundamental:

— Deve-se saber exatamente qual caminho o ácido vai percorrer. Também temos que ter no consultório uma substância chamada hialuronidase, que anula o efeito do ácido hialurônico. Se houver a obstrução de algum vaso, a gente pode observar e aplicar o produto.

Portanto, o procedimento realizado por biomédicos, por exemplo não é indicado. Tanto, que os dados mais recentes da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica mostram que, em 2016, o número de procedimentos não cirúrgicos teve um crescimento de 79,15% em relação a 2014. A aplicação de toxina botulínica, o botox, teve aumento de 96,4%, seguido da técnica de preenchimento, com 89,5%. A banalização desses procedimentos, sem pesquisa prévia, preocupa Sergio Palma, vice-presidente da Sociedade Brasileira de Dermatologia: “Há inúmeras doenças dermatológicas que devem ser identificadas antes de qualquer procedimento, como peeling ou botox, assim como as contraindicações, como ter doença autoimune.”

O debate sobre quem pode ou não realizar o procedimento já chegou à Justiça. Em outubro de 2016, uma determinação judicial no Distrito Federal proibiu os biomédicos de realizar procedimentos comuns em clínicas de estética como botox, preenchimentos e peelings profundos.

Segundo a advogada Melissa Areal Pires, a “judicialização” da questão começa em 2013, com a Lei do Ato Médico- Um inciso do artigo 2°, que estava no projeto de lei e acabou vetado, dizia que a “formulação do diagnóstico nosológico e respectiva prescrição terapêutica” seriam “atividades privativas do médico”. Depois disso, explica Melissa, diversas entidades, como de biomedicina e conselhos de odontologia, passaram a emitir resoluções autorizando aqueles profissionais a formular diagnóstico e dar prescrição terapêutica, ou seja, profissionais de saúde começaram a identificar oportunidades. Quando os problemas começaram a surgir, em tratamentos que a medicina considera um ato dela, o Conselho Federal de Medicina começou a processar as sociedades de biomedicina, de odontologia. Eles entendem que essas autorizações colocam em risco a vida.

Tanto, que a própria advogada afirma ainda que, conforme as decisões foram sendo concedidas, a Justiça começou a dar entendimento favorável aos médicos : “Na dúvida, hoje, eu indicaria que procurasse um médico — aconselha a advogada. — O dentista ou outro profissional de saúde tem que ser honesto. Se naquele momento está proibido judicialmente de fazer aquele processo, ele tem que explicar isso para o paciente.”

*Fonte Sociedade Brasileira de Dermatologia


vacina-2108x1054-1170x658.jpg

O início do século XX foi marcado por diversos movimentos sociais na história do Brasil, entre os quais destaca-se a Revolta da Vacina:  A falta de informação fez com que um grupo de pessoas se revoltasse contra a vacina que combatia a varíola, doença que naquele momento era causadora de milhares de mortes. O acesso restrito da população ao conhecimento sobre a ação da substância no corpo na época, aliada a uma adesão imposta pelo governo, provocou insegurança e, consequentemente, a rebelião.

Contudo, cerca de cem anos depois, provavelmente devido ao excesso de informação, o movimento antivacina ganhou força novamente em vários países: No Brasil, o movimento tem seus representantes, e autoridades da área da saúde chamam a atenção para os graves problemas de saúde pública acarretados pela não-vacinação. Isso pode estar sendo motivado por desconfiança da eficácia da vacina ou por negligência em relação às indicações de imunização.

Por isso, destacamos fatos que alertam para o papel do médico nesse contexto. Destacaremos, também, alguns fatores que evidenciam o quão prejudicial é para a saúde pública o fato de a população não estar vacinada — e, muitas vezes, fazer essa opção deliberadamente. Afinal, conscientizar os pacientes da sua importância é o primeiro passo para reverter a possibilidade de um cenário preocupante.

As vacinas ofertadas pelo Sistema Único de Saúde (SUS) passam por um processo rigoroso de avaliação de qualidade, obedecendo a critérios padronizados pela Organização Mundial da Saúde. Garantem, portanto, segurança, potência e estabilidade aos usuários. Esse é um dos argumentos a serem apresentados.

A vacina é um recurso que causa impactos positivos na saúde pública, e não aderir à vacinação traz diversas implicações, sobretudo para as camadas mais desfavorecidas. Ela foi responsável pela erradicação de doenças como sarampo, poliomielite, varíola e rubéola. E, hoje, atua fortemente em campanhas contra a gripe, por exemplo. Por isso, é essencial que você, médico, tenha uma postura ativa para orientar a população sobre a importância da imunização.

Segundo a UNICEF, anualmente :quase dois milhões de crianças em todo o mundo ainda morrem por falta de acesso às vacinas. Devido ao custo da administração, a escassez dos sistemas de saúde, deficiências no setor saúde no governo e, em alguns casos, conflitos internos, muitas pessoas ficam sem se vacinar. Foi registrado, nos últimos anos, uma queda na administração das vacinas pentavalente (que protege contra difteria, tétano, coqueluche, meningite) e BCG (que protege contra a tuberculose), o que fez com que a cobertura vacinal caísse de 98% para 90%, segundo dados do Programa Nacional de Imunização.

Com a queda da cobertura vacinal, ficando abaixo do esperado em, pelo menos, seis tipos de vacinas (hepatite A, rotavírus, influenza, HPV, poliomielite, pentavalente e meningocócica C), sobretudo, em crianças, o Ministério da Saúde verificou que um grupo de pessoas vem optando por não imunizar seus filhos. Os motivos pela opção de não-vacinação é a suposta ideia de que as vacinas trariam reações, tais como danos cerebrais e autismo; por questões ideológicas, religiosas e culturais; e pela resistência à imposição da indústria farmacêutica.

Pesquisadores afirmam que esses efeitos colaterais não ocorrem e não existe correlação científica entre essas patologias e a vacinação. Isso não significa dizer que não existam efeitos colaterais; no entanto, as chances de se contrair a doença, ao não tomar a vacina, são maiores do que qualquer risco imposto pela dose recebida.

movimento antivacina, ainda pouco organizado no Brasil, é crescente em todo o mundo. A disseminação de informações desse movimento ocorre, principalmente, por grupos de pais nas redes sociais, como no Facebook, que divulgam, sem base científica, supostos efeitos colaterais provocados pelas vacinas. Como você deve saber, não tomar a vacina representa um perigo extremamente elevado à saúde pública, visto que as famílias que optam por esse caminho estão considerando somente um suposto efeito individualizado da prática, deixando de lado a consequência em nível macro e social.

Por se tratar de um movimento desprovido de ciência, a classe médica precisa ser mais ativa para combater a disseminação de falsas informações.O avanço desses movimentos deve ser observado com atenção, pois as doenças podem voltar a circular se a cobertura vacinal cair — e você, como profissional da área da saúde, precisa ter isso em mente na hora de orientar os pacientes.

Muitas doenças estão sob controle precisamente por causa da vacinação. Quando ocorre queda nas taxas de cobertura dessas vacinas, a doença reaparece, como aconteceu recentemente com o sarampo em alguns países da Europa e Estados Unidos. O ressurgimento de enfermidades por decisão de grupos contrários às vacinas trouxe consequências para muitos países. Na Europa, epidemias de rubéola foram registradas. Já doenças como caxumba e coqueluche foram percebidas com maior incidência nos Estados Unidos. No Brasil,surtos do gênero ainda são pequenos e foi interessante a adesão da população em relação à vacinação contra a febre amarela.

Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), principal conjunto de normas que trata da defesa dos direitos dos menores de 18 anos, considera obrigatória a vacinação da criança, de acordo com as recomendações sanitárias. Embora o não cumprimento dessa lei não represente um crime passível de prisão, os pais que priorizam não vacinar os filhos podem sofrer punições. Em alguns casos, podem responder por crime de abandono, omissão dolosa ou culposa. Exemplos assim também acontecem na Austrália, onde a não-vacinação é monitorada e, para contê-la, foram determinadas diferentes regras.

Uma das maiores taxas de rejeição em relação a tomar vacinas, porém, está na FrançaO governo francês anunciou que as crianças receberão onze vacinas obrigatórias, caso contrário, serão impedidas de frequentar as escolas ou creches. Essa regra busca eliminar o ceticismo nacional e ampliar a cobertura de vacina. Além disso, os pais que evitarem a vacinação de seus filhos serão condenados a dois anos de prisão e pagarão uma multa de 30.000 (trinta mil) euros.

É importante ressaltar que não apenas o Governo Federal brasileiro, mas os Estados e os Municípios, em parceria com os médicos, também têm papel fundamental na vigilância dos dados de vacinação, avaliando os motivos e trabalhando no estímulo da população. Apesar de a escolha por não tomar vacina ocorrer em âmbito individual, o impacto da atitude deve ser pensado considerando a população como um todo, pois a imunização possui uma função coletiva. Há casos de pessoas que optam por não vacinar e apresentam boas condições financeiras — nesse caso, elas podem receber assistência; porém, o contato entre pessoas de níveis diferentes pode passar as falhas da vacina adiante, deixando os grupos mais vulneráveis prejudicados.

Os benefícios da vacinação são tão expressivos que a atitude do médico de indicá-la é simples. Portanto, faça a sua parte e seja claro e objetivo ao orientar os seus pacientes sobre a necessidade de manter a vacinação em dia. Além disso, resgate a relação de confiança com eles, para que as práticas de imunização sejam efetivas.

*Fonte UNICEF e Ministério Da Saúde


diabetes-1170x658.jpg

Para lembrar o Dia Mundial do Diabetes e conscientizar a população sobre o diabetes tipo 2, a Associação de Diabetes Juvenil (ADJ) lançou o projeto Bom Dia – Um Dia de Cada Vez, e Cada Dia Melhor!O objetivo da campanha é chamar a atenção para a importância do diagnóstico precoce, por meio de consulta e exames, e para a necessidade da adesão ao tratamento indicado pelo médico. A campanha destaca ainda o alerta para mudanças de hábito e estilo de vida que têm de ser de adotadas pelas pessoas diagnosticadas com a doença.

Segundo a ADJ, serão postados vídeos nas redes sociais da associação (Facebook, Instagram e Youtube), com depoimentos de convidados que falarão sobre as causas da doença, tratamentos e formas de prevenção. O primeiro vídeo, com o ator Danton Mello, que é o embaixador da campanha, já está no ar.

Queremos motivar as pessoas a começarem cada dia com otimismo, seguindo o princípio de ‘um dia de cada vez’, comprometendo-se justamente com o dia que estamos sempre vivendo: o dia de hoje. Sem impor a si mesmo decisões para a vida toda, à base do ‘nunca mais vou…’, que resultam em grandes frustrações”, disse o gerente de marketing  do laboratório Servier, Rafael Borges.

De acordo com o Ministério da Saúde, estima-se que no Brasil, existam mais de 12,5 milhões de diabéticos tipo 2, e as mortes em decorrência da doença, aumentaram 12% em seis anos.Os sintomas do diabetes tipo 2 são: fome e sede frequentes, alteração visual, infecção na pele, principalmente quando as feridas demoram para cicatrizar, infecção de rins, vontade constante de urinar, emagrecimento sem controle e razão e formigamento.

De acordo com a ADJ, a doença pode aparecer em qualquer pessoa, de qualquer faixa etária, mas o risco maior está entre indivíduos com mais de 40 anos, obesos e sedentários. A hereditariedade, o consumo elevado de álcool, a hipertensão, o colesterol e os triglicerídeos alterados, além de histórico de diabetes gestacional, também são fatores de risco. O diabetes é uma doença progressiva  e, se não for tratada adequadamente, pode ocasionar complicações como doenças cardiovasculares, hipertensão, insuficiência renal, perda de visão e até amputação de membros.

*Fonte Associação de Diabetes Juvenil 


Clinica Megamed

Somos uma rede de clínicas médicas com o objetivo de oferecer um atendimento de alta qualidade e a preços acessíveis. Contamos com uma equipe cuidadosamente selecionada e preparada para atender você e sua família. Priorizamos o atendimento humanizado e dedicado à saúde e bem-estar de nossos pacientes.

Não atendemos emergência.

Responsável Técnico:
Médico Dr. Ruy Marco Antonio CRM-SP 14561

Copyright by Intermedia 2018. All rights reserved.

WhatsApp